segunda-feira, 8 de março de 2010

A coxinha é ou não é uma paixão nacional?

Sim, as coxinhas são uma paixão nacional, tanto quanto a cerveja. Aliás, os dois juntos ficam ainda melhores. Todo boteco ou padaria que se preze vende o salgado. Mas não é todo lugar que tem uma coxinha suculenta. E divido com vocês alguns endereços dessa guloseima tipicamente brasileira.
Claro que não poderia deixar de começar com o Frangó (foto), na Freguesia do Ó. Os donos devem ter descoberto uma fórmula especial para a massa recheada à base de farinha de trigo. As coxinhas chegam em porções e são tão sequinhas que você nem percebe quando a primera sequência acaba. As melhores de SP!
Outro local (este pertinho do meu trabalho) é a Praça Cheese, em Pinheiros (Rua Álvaro Anes, 25), ao lado da Fnac. É como se fosse um salgado dos Flinstones. É gigante, super recheada e bem temperada. Não espere muito do espaço físico do local.
Ainda em Pinheiros descobri no ano passado um local que se chama Bar Sem Nome (assim mesmo). Lá, a porção de mini coxinhas vale uma refeição. São crocantes e a carne é bem temperada. A frequência do local é do público GLBT.
No Yokoyama é difícil manter o controle. A coxinha de lá disputa espaço com os outros crocantes pasteis, esfihas, kibes, bolinhos, entre outros. A unidade da avenida Lins de Vasconcelos, Cambuci, é a que frequento.
Já no bar Filial o tempero também faz da coxinha uma atração à parte. A visita ao local vale só pelo salgado.
Em padarias sugiro a coxinha da Nova Veredas, na Mooca (acho que sempre falo dela), e da Dengosa (rua Melo Alves). As massas são boas e bem secas.
Se você tem sugestões, dê o seu pitaco abaixo.
Postar um comentário