quarta-feira, 1 de setembro de 2010

História da arte e gastronomia no mesmo prato

O carpaccio é a carne crua de vaca, cortada em finas lamelas, sobre que se põem sumo de limão e azeite de oliva, entre outros temperos (pode ser feito com outras carnes e mesmo peixes). É uma iguaria quase unânime nos cardápios dos restaurantes do Brasil. Mas você sabia que esse prato surgiu por causa de uma anemia?!
Isso mesmo. Tudo começou quando o médico da condessa italiana Amalia Nani Mocenigo recomendou que ela comesse carne crua para aumentar seu nível de hemoglobina. E, na Itália da década de 50, comer a carne nesse estado era, digamos, incomum. Então, o criativo Giuseppe Cipriani, dono do famoso Harry’s Bar, em Veneza (também conhecido por ter inventado o drinque Bellini), foi à sua cozinha, cortou a carne em fatias finas e adicionou um molho consistente.
E no auge de sua criatividade, o inventivo chef olhou para o prato e lembrou das obras avermelhadas do pintor Vittore Carpaccio, batizando o prato como conhecemos hoje. Segundo a história, a condessa adorou a idéia e o sabor da novidade.
Vittore Carpaccio (1465 — 1526) foi um pintor italiano da Escola de Veneza, que estudou com Gentile Bellini. Ele é mais conhecido por um ciclo de nove pinturas chamado 'A Lenda de Santa Úrsula'. Seu estilo é um tanto conservador, mostrando pouca influência do Humanismo da Renascença, que transformou a pintura do Renascimento durante a época em que viveu.
Carpaccio nasceu em Veneza. Pouco se sabe sobre sua vida, mas acredita-se que seus principais trabalhos foram executados entre 1490 e 1519. Durante sua vida, especializou-se em pinturas que narram cenas bíblicas. Sua obra é cheia de detalhes, em um tom quase medieval.
Legal né? Isso tudo está no livro História da Arte Italiana V.1
Postar um comentário